Espectroanalítica

A espectroanalítica é uma área onde são desenvolvidos métodos de análise baseados em medidas de espectros, que podem ser gerados pelas diferentes formas de radiação eletromagnética (chamada de espectroscopia) ou pelas cargas e massas de íons gerados a partir de uma substancia inicialmente neutra (chamada de espectrometria de massas).

Pesquisadores do Instituto Nacional de Bioanalítica (INCTBio) na área de espectroanalítica vêm trabalhando com as técnicas de espectrometria de massas, espectroscopia de ressonância magnética nuclear (RMN), espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) e espectroscopia Raman.

As matrizes de interesse são as mais diversas, devido à possibilidade de obtenção de informações em nível molecular com alta resolução, muitas vezes de forma não destrutiva e com pouco ou nenhum pré-tratamento da amostra. Exemplos de aplicação são: estudos com células, tecidos, fluidos biológicos, fármacos, alimentos, produtos naturais etc. O crescimento da área tem sido expressivo, verificando-se um aumento muito grande de trabalhos, bem como o surgimento de grupos de pesquisa trabalhando especificamente na área de análises de amostras biológicas. Nesse caso destaca-se a metabolomica, que envolve o estudo dos metabólitos presentes em diversas amostras biológicas através de sua identificação e quantificação. Neste contexto, estudos metabolômicos são fundamentais para a identificação de biomarcadores para diferentes distúrbios e doenças, como por exemplo, transtornos psiquiátricos e câncer. Portanto, a descoberta de biomarcadores dessas doenças torna-se relevante no sentido de aprimorar o diagnóstico, bem como na avaliação do tratamento aplicado aos pacientes.

A grande quantidade e a complexidade dos dados gerados muitas vezes tornam necessária a utilização de ferramentas quimiométricas de reconhecimento de padrões ou calibração multivariada.